quarta-feira, 5 de agosto de 2009

déjà vu

Procurei o serão inteiro pelo que te escrevi há uns três anos atrás aquando da tua primeira queda... não encontrei nesta confusão que é o meu PC, perdeu-se algures pelos anos, mas agora, mais do que nunca queria rever essas palavras, queria que as revisses e te lembrasses que já na altura queria preparar-te também para o dia de hoje.
Creio que entendeste... creio que sabes que depois do primeiro baque, tudo o mais como dizem os Brasileiros, nós tiramos de letra. Não me preocupa que possas pensar que não vais sobreviver, sei-te mais sabedor que isso. O que eu não sei se sabes é que eu estou aqui não porque te vejo como vitima, mas principalmente porque reconheço em ti a mesma sede com que acordo a cada manhã. O que tu talvez não saibas é que quando nasceste e eu fantasiava que eras o meu bebé, quando eu te queria como eu, eu ainda não sabia nada, era apenas uma criança um pouco, pouquinho, maior que tu. O que eu sei que tu não sabes é que hoje, que és maior que eu, eu te quero efectivamente maior, melhor... o que tu ainda não sabes é que eu sei e queria que tu não soubesses dessas dores dos vilões que moram nas histórias das carochinhas e dos carochinhos, desses vilões aparentemente amorais mas que têm uma consciência. O que eu queria era que não conhecesses essa dor que nos chega sem dia marcado, não pelos males que o tal do mundo injusto nos impinge, mas pelos caminhos desastrosos que por vezes são os que sem percebermos escolhemos percorrer.
Hoje não sou a Marta como te ensinei, hoje não sou demasiado nova para ser tia de um marmanjo do teu tamanho, hoje, e só hoje porque faz falta, eu sou a tia cota que já foi por aí e que apesar de na maioria dos dias ser feliz pelo tanto que viveu, noutros, preferia voltar a ter 21 anos e fazer de tudo uma história simples.

5 comentários:

Patrícia disse...

Olá Marta,


Venho agradecer-te os parabéns no meu cantinho. É claro que não precisavas de te desculpar por nada, afinal o dia não é assim tão importante...

Beijinho grande primota da minha maninha :D MUAHHHHHH :D

Cátia disse...

Hoje eu li e reconheci-te, com algumas lagrimas a quererem saltar. Hoje reconheci a amiga que eu aprendi a conhecer com o tempo, a amiga das longas conversas na cozinha, a amiga que o é, efectivamente. Hoje vi uma tia, que gosta e cuida.

Hoje mostras aqui muito mais que a Marta.

Beijo enorme e um abraço
CA

Marta disse...

Patrícia,

Um beijinho para ti!

Cátia,

Quando faz falta... e eu me apercebo...
Uma boa parte (quase tudo) do que escrevi ainda não lhe disse ontem, será provavelmente dito daqui por uns dias, quando ele tiver capacidade de ouvir e mais importante já lhe apeteça falar, para já tem todo o espaço do mundo.

Quanto ao resto é mais um mês de verão. Pouco tempo, muitos Km e sem net fora de casa (a minha móvel está com ele).

Beijo enorme e aquele abraço.

Cris (Mahinder Kaur) disse...

ó desaparecida! Este post soa-me, de facto, a dejà vu, à velha Marta.
Beijoca repenicada.

Marta disse...

Cris,

A velha marta, quando se escreve com H!!!

Beijoca rep... menos!!! :P