segunda-feira, 17 de agosto de 2009

não percebi

Ando um bocadinho enjoada, mas isto é normal, estamos em ano de eleições e acontece sempre. Esta deve ser a primeira vez que aqui falo de política, no entanto quem me conhece sabe que o faço com alguma frequência. É um assunto que me interessa, é um assunto que me importa, que faz diferença nas nossas vidas. E nesta primeira vez que vos falo no assunto, parece-me correcto definir desde já, abertamente e assumindo-me como fora de moda, eu votarei PS. Reconheço naturalmente que foram cometidos erros, no entanto não vejo na figura boçal de MFL qualquer hipótese de melhoria. Posto isto, sinto-me perfeitamente à vontade para perguntar que raio viram na figura de Carolina Patrocínio para Mandatária para a Juventude pelo Partido Socialista?!
Não percebi... a miúda, é só uma miúda, rica, mimada, tonta, desinteressante, oca, fútil. Como a própria diz aqui, trabalha porque lhe apetece, não que precise, só faz o que gosta e ainda assim apresenta uma coisa deplorável na SIC que dá pelo nome de Tá a gravar, não gosta de frutas que seja preciso descascar e só come cerejas e uvas quando a empregada lhe tira os caroços ou grainhas, ora façam-me o favor que escolhazinha de merda!

22 comentários:

Cris (Mahinder Kaur) disse...

Fosga-se, aonde é que a gaja é gira! Ah, poupem-me, eu, com os meus quase 90 quilos, sou mais interessante. :P E sou do Puerto (cidade, que dos clubes quero distância)...
Mas era para falar de política? Ah, pois, sobre isso nada sei... apenas que a escolha é muito sem sal... Qualquer delas, PS, PSD, CDS, CDU, BE, todos farinha com bicho do mesmo armazém... Eu Quero o Sócrates, mas o da Grécia...

Marta disse...

Cris,

Não tenho a menor dúvida que seja qual for o teu peso, serás sempre mais interessante, mesmo que ela fosse bonita, coisa que definitivamente não é. Para se ser interessante é preciso que se tenha sumo, não me parece ser o caso. E bonita, dass, onde? Só se for o tom de pele, porque de resto... (já viste a miúda de pé de pernas fechadas?)

E o post não era bem para falar sobre política era para iniciar o assunto a dizer que apesar de ter as minhas tendências políticas, consigo, creio eu, ter uma opinião critica, não abano a cabeça que sim porque sim, tenho ideias, minhas, que se aproximam mais de uns que de outros. E era, claro está, para falar mal da Carolina Patrocínio que me irrita à grandalhona.

Estas eleições preocupam-me e talvez, pela primeira vez, vá efectivamente falar sobre isso.
;)

Beijocas!

Xiribanguo disse...

Pois é a gaja não é muito gira, deve ter bué de personalidade... eu dantes ficava a olhar o disneykids a ver se a gaja tinha mamas... não me lembra se cheguei a alguma conclusão, mas o bonecos eram giros.
De qualquer modo eu é mais bolos e pelos compromissos publicitários quase de certeza que não tem fisga com o snoopy.
Beijos ao povo daqui e de lados outros

Marta disse...

Xiribizinho,

Há dias em que enfim, há outros em que nem por isso!!!

Cátia disse...

Quantas vezes já discutimos (no bom sentido, claro) política? Gosto de o fazer contigo, temos algumas ideias diferentes, mas é bom ter uma opinião critica, e ouvir outras opiniões só pode enriquecer e fortalecer.

Quanto à Carolina acho que foi, definitivamente uma má escolha. É uma pessoa que não está ligada à politica, e como dizes, é apenas uma cara bonita (se o fosse) que conseguiu ganhar algum espaço na TV. Nada mais, porque nem considero uma boa profissional. Oca, futil, tonta e desinteressante? Com certeza.

Pergunto-me: Será que, para o PS, este é a imagem que têm dos jovens portugueses? Será que nomearam a Carolina porque achavam que os jovens se iam identificar com ela? Espero que não, mas... isso explicaria muita coisa....

Beijo grande
CA

Cris (Mahinder Kaur) disse...

Hum, sendo rica, será que ela comprou o lugar?

Marta disse...

Cátia,

Acho que tocaste na ferida. Foi por isso que destaquei dela o discurso do trabalhar só porque quer, que dito de outra forma até poderia ser visto como algo positivo e produtivo. Já olhaste bem para os nossos jovens? Os ditos rebeldes? São uns tontos, uns deslumbrados a quem se tira os caroços das cerejas e para quem o peixe nunca tem espinhas.
Eu pertenço, a uma outra (geração) que foi apelidada de rasca e que de rasca tem a memória, porque parece que se esqueceram dos rostos por trás das cargas policiais quando hoje arrotam postas de pescada e falam que este governo é uma ditadura, mas disso falarei noutro dia.
O problema, do PS e não só não é de vista, eles conseguem ver muito bem os ocos que estão a ajudar a criar, dá-lhes jeito. O que me deixa enjoada é que essa é a razão, manter as ovelhas a tratarem da lã ao espelho, ignorando que não tarda vão ser tosquiadas!

Beijoca.

Cris,

Não... comprar é coisa de pobre, ao rico dá-se e ele desfila em jeito de publicidade!

Beijo.

Cátia disse...

"O que me deixa enjoada é que essa é a razão, manter as ovelhas a tratarem da lã ao espelho, ignorando que não tarda vão ser tosquiadas!"

É por isto que somos o país do futebol, da expo, etc.?! É por isso que temos que manter o povo ocupado - nem que sejam com futalidades - para que não se lembre de questionar certas políticas?

Pergunto-me porque é que há tantos jovens - e mesmo adultos - que não querem saber de política. Será puro desinteresse ou será que a política está com tal descrédito que não existe qualquer ponto de interesse?

Infelizmente considero este ultimo.

Um beijo
CA

Marta disse...

Será que isso é um problema só de Portugal? Não estaremos num mundo em que a maioria não pensa porque "dá uma trabalheira"?

Quanto à politica nacional, os que dizem que o governo está sob suspeita, são os mesmos que já são, neste momento arguidos, alguns com julgamentos já marcados!

Mas os desinteressados, na maioria, não sabem disso.

Cris (Mahinder Kaur) disse...

É a nível mundial, sim. Cuidar que as ovelhinhas fiquem mais ovelhinhas, entorpecer as mentes, bombardea-las de imagens ocas, e o sistema de ensino que não quer que eles pensem, ou melhor, quem anda no poleiro (sejam eles quem forem) está a fazer um bom trabalho a alimentar o rebanho. Mas, um dia, o feitiço vira-se contra o feiticeiro... Entretanto, eu protesto. Eu protesto contra esta politiquice da treta. Eu protesto pelo meu direito a ter uma voz, para que a democracia o seja verdadeiramente. Eu protesto querendo um sistema em que os políticos não façam carreira, fazendo com que eles próprios se alheiem do que os rodeia. Afinal, estão ao serviço do povo ou é o povo que está ao seu serviço. Quer-me parecer que, neste momento, é o povo que os serve. Os valores estão invertidos. Basta disto! Estou fartinha até à medula!
E não peço desculpa pela minha exaltação!

Marta disse...

Cris,

Nem o peças nunca!
Essa tua exaltação é nossa.
:)

Beijos

Cátia disse...

Concordo com o que dizes e com a Cris. Este clima é (quase) geral sim. No entanto ainda penso que existem coisas que acontecem no nosso país que não sei se existiriam em todos, como o caso dos julgamentos, e como tu, nao falo apenas dos mais sensasionalistas... Mas estes, então, são ainda mais flagrantes da republica das bananas que somos. Se bem que, de alguma forma, acho que roubar todos roubam, mas existem alguns que ainda fazem coisas para bem da população (como o Isaltino ou a Fátima Felgueiras- e quem conhece as cidades deverá reconhecer)

Um bom exemplo de rebanho é que agora até já nem existiu o holocausto, pois não?! O que se faz para que não se levantarem questões...

Marta disse...

Muitas coisas negam-se (como o Holocausto) e outras inventam-se. Escrevem-se estórias porque a história não interessa.

Os Isaltinos, as Felgueiras e outros que tais diz-se que roubaram para os seus (da terra)... ok eu vou ali ao banco da esquina e roubo lá para a minha tinha terra, e depois a gente vê o que me acontece.

Não quero cá desses bons ladrões.

Cris (Mahinder Kaur) disse...

"Se bem que, de alguma forma, acho que roubar todos roubam, mas existem alguns que ainda fazem coisas para bem da população"

Roubar nunca pode ser para bem de ninguém, a não ser quem rouba, já que a justiça não funciona. Isto de ter o roubo institucionalizado não nos serve. Porque se uns roubam, há sempre quem é roubado. E, maioritariamente, somos nós, população, que somos roubados. Roubados no bolso, roubados na justiça, roubados na segurança, roubados até ao tutano. É um fartar vilanagem. Os exemplos que vêm desses figurões, que deveriam ser exemplares, são do mais baixo possível. Com exemplos destes, o que é que acontece? Há-se existir sempre aquele que se acha também no direito de roubar e vai achar que está tudo bem. Isto é como um cancro. Mais grave ainda, porque é transmissível.
Não me puxem pela língua...

Marta disse...

Concordo Cris, e diz-me lá como te puxamos pela lingua, que eu estou a gostar de te ouvir!

Cris (Mahinder Kaur) disse...

Até agora só me puxaram por ela... :P

Cátia disse...

Não estou a dizer que roubar é bom, de todo! Mas dou-vos um exemplo: Edite Estrela (ex-ex-presidente da camara de sintra) roubou que se fartou.. so não limpou mais porque não calhou (recordo que a camara de sintra era considerada das mais corruptas do país) e o que lhe aconteceu? Nada: vai para a Europa! O Isaltino, roubou que se fartou, limpou tudo e mais alguma coisa, mas nos intervalos tornou Oeiras num dos municipios mais desenvolvidos do pais. E o que lhe aconteceu? Vai (espera-se) para a cadeia e... acho mt bem!

Estou tambem eu farta de ser roubada, e de se sentir cada vez mais o descredito da politica, da justiça, ..., em Portugal. E acho / sei que nada vai mudar com as novas eleições que aí vêm mas... não é por isso que eu desisto em ter as minhas ideias, opiniões e pensar que um dia poderei fazer alguma coisa por/com elas.

Marta disse...

Sim, eu também tenho as minhas ideias e na maioria das eleições canalizo o meu voto em quem será um mal menor. Nestas eleições (legislativas, autarquicas ainda não me decidi) vou pelo mal menor, mas também e chamem-me crente ou cretina, porque gostei de muitas das coisas que este governo fez. É um facto e portanto não o vou negar.

Cátia disse...

Não vou negar que existiram algumas medidas menos populares qu foram feitas... Sem dúvida que houve uma ginastica orçamental e com recuperação por este governo. Não nego algumas coisas boas e inteligentes que foram feitas. Houve outras gafes que nem lembrava ao menino Jesus, mas... lembrou ao Sr. Engenheiro! Dou-lhe crédito mas... não muito que os juros estão a querer subir, e o sistema bancário está instavel!

Marta disse...

A diferença entre nós neste caso, está essencialmente numa coisa, eu já me manifestei contra a "Dama de Ferro" (e só o fiz por 2 vezes na vida, uma na celebre manifestação em que se lhe mostrou o rabo e outra no tempo do Guterres) e eu lembro-me de viver no tempo do Cavaco como primeiro ministro, tu não.

Quanto ao crédito ao actual primeiro, não imagines que lhe dou assim tanto, apenas lhe reconheço medidas impopulares e importantes.

Cátia disse...

Não desvalorizo a historia, a minha e a dos outros. Não desvalorizo as politicas de uns e outros apenas por terem ou não terem a cor do meu partido... Prof. Cavaco Silva iniciou o seu mandato em 1985, ainda eu usava fraldas (ou quase) e certo é que as suas políticas não me afectaram enquanto pessoa, mas afectaram certamente a minha familia, e a população em geral. Não as (des)valorizo. Mas sei também que foi a pessoa que mais tempo esteve na liderança do governo depois do 25 de Abril: 10 anos. Há semelhança do que fez o Eng. Socrates, certamente que tambem teve os seus aspectos positivos, se não não teria estado tanto tempo por lá... digo eu!

Quanto as varias manifestações, todos nós temos que agradecer aos ainda jovens mas que passaram por tudo isso, e que tiveram coragem e ousadia. Lembro-me da "geraçao rasca" e por aqui tambem eu e os meus semelhantes fomos apontados como tal... Sentimo-nos incluidos: afinal todos os jovens ou adolescentes o eram, e não havia futuro! o mundo estava perdido! Mas agora... onde estao essas pessoas a apontar o dedo a determinados comportamentos?

Marta disse...

Não penses que estava a desvalorizar a tua história, apenas a dizer que dado que vivemos coisas diferentes identificamo-nos com pessoas diferentes, porque na verdade em termos de valores creio que não serão assim tão distantes. E não teria problemas em votar num Pedro Passos Coelho, não posso é votar no Cavaco...

Quanto ao tempo que o Cavaco esteve no governo, deve-se na minha opinião, ao facto de que nesses anos muitos viveram bem e muitos mais iludiram-se. Vinham subsídios para tudo, e ele não terá a culpa total da sua não utilização, mas tem certamente na falta de fiscalização. Compraram-se jipes, barcos, mansões, e não se investiu em coisa nenhuma. Mas o povo a quem não eram pedidos sacrifícios, que se podiam reformar aos 40 e poucos anos, andava contente, eu chamo-lhe pão e circo, mas claro que posso estar a ver mal.
Reconheço-lhe a reforma das nossas estradas, mas não sei confesso quanto custaram nem durante quanto tempo. Reconheço-lhe a sensatez enquanto esteve afastado do poder e reconheço-lhe o trabalho inicial como Presidente da Republica, mas estou profundamente desiludida com o facto de não ter um Presidente neutro e de o ver semana sim, semana sim a fazer campanha eleitoral. Faz-me pensar que talvez fosse preferível ter um Rei sem um partido por trás, para tu veres o quanto o seu papel me tem desagradado.
E a geração rasca foi o resultado do rabo mostrado à ministra da educação na altura, que se diga em bem da verdade não era muito diferente desta, talvez ainda mais arrogante apenas.

E esses dedos estão escondidos nos bolsos porque andam com anéis alheios. Esses dedos pertencem a todos os partidos, não tenho duvidas.