terça-feira, 2 de janeiro de 2007

A casa

Com o sol a beijar-me a pele comecei a rabiscar num papel a casa que durante anos me povoara as fantasias. Coloquei-a no papel para a arrancar de mim sem a perder para sempre. Quando percebi, estava a escrever-te uma última vez junto ao desenho:

Hoje não estou desesperada, não me falta o ar e sei muito bem onde piso.
Saudade? Sim, certamente, mas hoje até a saudade é calma. Sinto que o mundo é meu... hoje posso tudo!
Desenhei uma casa para mim, na nossa terra, decorei as várias divisões, elegi o meu recanto favorito e sentei-me no alpendre com o cheiro da tinta fresca.
Tu apareceste naturalmente, dividiste a casa comigo, mas não soube eleger o teu recanto... Que interesses teríamos em comum? Que cores quererias ver nas paredes? Que música ouviríamos juntos? Será que como eu achas linda a nossa terra? Todas as dúvidas hoje são apenas uma infinidade de possibilidades para a fantasia...
Ergui a casa que não vou construir e vivo nela com um homem que não existe. Construi tudo, a estrada de acesso, o meu local de trabalho, o jardim... partilho tudo com o homem dos meus sonhos, que tem o teu rosto, mas inevitavelmente não és tu!
Estou feliz nesta casa com este homem... só hoje!

Dormira poucas horas e durante a manhã resolvera fazer-lhe o funeral. Juntei os cadernos que viviam nos cantos escuros da casa e me sugavam as forças como vampiros. Olhei-os uma última vez e concentrei-me para lhes cravar a estaca.
Esvaziei a caixa dos jogos e usei-a como urna.
Fiquei a observá-la já fechada, contendo uma década da minha vida. Estava decidida e convencida de que o iria esquecer.

7 comentários:

48985175 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Borboleta disse...

:) Feliz 2007 ;) jinhos

Bel disse...

Num dado momento apercebemo-nos que passou... simplesmente passou.
Jinhps

Esteril disse...

Marta,
A casa dos teus sonhos é a teu consciente a querer viver, a querer soltar-se. Por vezes agarrado ao passado e a recordações que nos limitam no tempo, não nos deixando viver o presente. Enterra esse passado, essas memorias sem mágoa. Como tu bem dizes, "...partilho tudo com o homem dos meus sonhos, que tem o teu rosto, mas inevitavelmente não és tu!..."
Sabes que não é ele o homem da tua vida, por isso liberta-te dessa imagem.
Bjs

Anónimo disse...

temos psicologos... boa!
águas passadas não movem moinhos... tá tudo dito.
O Atento

Anónimo disse...

esqueci.
em relação á casa.. o Autocad trata disso.. hehhe
depois aos intervenientes e pomposos comentários deste post:
Gostar de alguem não tem condicionantes. Ninguem deve dizer o que fazer a outra pessoa, tá a perceber, esteril?
O Atento

Esteril disse...

Caro atento,
As vezes é preciso dar umas opiniões que sabemos que são as correctas, mas precisamos de as ouvir para ganharmos a coragem que nos falta.
Cada um depois de ouvir decide em consciência, certo?